Blog Canivete

publicado em 14 de dezembro de 2020

SAIBA O MELHOR CUSTO-BENEFÍCIO AO COMPRAR UMA SEMENTE

SAIBA O MELHOR CUSTO-BENEFÍCIO AO COMPRAR UMA SEMENTE

A estação das águas se aproxima, o que significa que logo se inicia a formação das pastagens. Como o planejamento é essencial para o sucesso da operação, devemos levar em conta diversos fatores – análise do solo, preparo e correção da fertilidade, aquisição de insumos, distribuição de adubos e sementes,  compactação, controle químico, entre outros – que influenciam justamente na formação das pastagens, porém o destaque são as sementes.

Conhecer a qualidade da semente é imprescindível para determinar a quantidade de sementes (kg) que serão distribuídas por área.

Para fazer este cálculo, é importante entender o Valor Cultural, ou VC, que é o índice utilizado para conhecer a qualidade das sementes. Ele é dado pela fórmula:
(VC) = (viabilidade x pureza)/100
porcentagem de pureza é o índice que estima a fração do lote que é constituída por sementes maduras ou imaturas. As sementes chochas ou vazias, terra, pedaços de folhas e talos, constituem impurezas.
viabilidade é a capacidade da semente dar origem a uma plântula, mas nem toda semente pura vai germinar. Ela é determinada pelo teste de tetrazólio (Tz), que estima  a viabilidade das sementes e ainda identifica diversos problemas que podem afetar o desempenho das mesmas, como danos mecânicos, anormalidades, entre outros. A realização do teste de germinação real também merece atenção, já que é o teste que vai comprovar se esta semente quebrou sua dormência e está apta para a comercialização.
A % Valor Cultural é uma síntese dos principais parâmetros de qualidade de um lote de sementes. Ela permite o ajuste adequado da taxa de semeadura para cada lote e é de grande auxílio na hora da escolha do lote a ser comprado.
Vamos imaginar dois casos:

Caso 1: Semente com Pureza de 98%, Germinação de 82%, o VC será de 80%.

Neste caso, estes índices indicam maior confiabilidade no plantio, reduzindo as chances de perdas em campo. Esta excelente média ajuda a garantir a formação de uma pastagem homogênea, contribuindo para o aumento da produtividade do rebanho e otimizando a produção da fazenda como um todo.

 

Caso 2: Pureza de 60%, Germinação de 85%, o VC será de 51%.
Agora, neste caso, mesmo que a porcentagem de germinação seja maior que no caso 1, devido a menor pureza, seu VC é menor. Veremos mais abaixo como isto pode aumentar o custo por hectare da semente.

Agora que entendemos o VC, vamos calcular quantos quilos de semente utilizar por hectare:

Para conseguirmos fazer as contas de quantos quilos por hectare de semente, devemos entender a taxa mínima de semeadura, assim como os pontos de valor cultural (PVC) por hectare.

Taxa mínima de semeadura = PVC/VC

Os pontos de valor cultural podem variar conforme a forrageira, região e método de aplicação. Digamos que os dois casos representem uma espécie do gênero Brachiária, de marcas diferentes, mas com os mesmos pontos de VC.

 

Caso 1: Taxa mínima de semeadura = 480/80 = 6 kg

Caso 2: Taxa mínima de semeadura = 480/51 = 9,4 kg

 

Custo por hectare = (taxa mínima de semeadura x preço do saco de semente)/Quilos do saco de semente

 

Com a taxa mínima de semeadura, podemos calcular o custo por hectare. Digamos que a semente 1, de melhor qualidade, custe R$ 123,00 o saco de 10 kg. Seu custo por hectare é de R$ 73,98.

A semente dois, com qualidade inferior, também é mais barata. Ela custa quase 30% a menos que a primeira, R$ 90,00, os mesmos 10 kg. Mas o fato do saco ser mais barato não representa vantagem, já que seu custo por hectare acaba saindo por R$ 84,60, 12,5% mais caro que o caso 1.

Quando fazemos as contas, neste caso, o barato sai caro. Por isso, é sempre recomendado que ao comprar  semente, os cálculos sejam feitos e, de preferência, junto a um especialista ou consultor.

Mantenha-se atualizado! Cadastre seu contato aqui, vamos te informar sempre que sair um novo conteúdo, em primeira mão!

    Pedro Silvestre de Lima

    Vivo a pecuária desde que nasci. Já fui monitor do curso Especialização em Nutrição de Ruminantes e Pastagens da ESALQ/USP durante dois anos e meio, trabalhei com consultoria técnica, empreendedorismo, mercado e inovação na pecuária de corte. Hoje atuo no fomento e disseminação de informações úteis e relevantes, com foco no lucro sustentável para o produtor rural.